Robótica colaborativa na indústria farmacêutica: como ela influencia na qualidade dos processos?

A robótica colaborativa traz muitas vantagens para as indústrias, e não poderia ser diferente para o segmento farmacêutico, gerando economia de recursos e aumentando a eficiência dos processos. A automação industrial faz parte desse universo com métodos econômicos que reduzem falhas humanas, eliminam desperdícios, melhoram a produtividade e geram resultados na qualidade dos produtos e serviços.

Neste post, vamos explicar o que significa robótica colaborativa na indústria farmacêutica e falar sobre o cenário atual dessa tecnologia. Além disso, vamos mostrar quais são as mudanças que esse tipo de implementação vai gerar no seu negócio, tornando-o mais escalável e inteligente. Aqui, você vai descobrir como a produtividade pode melhorar com a robotização da produção.

Gostaria de saber como a robótica colaborativa se tornou um fator de potencialização para os processos industriais no setor farmacêutico? Prossiga na leitura!

O que significa robótica colaborativa?

A robótica colaborativa é um fator de potencialização para os processos industriais dos mais diversos setores. Trata-se de uma tecnologia avançada que possibilita a utilização de robôs que cooperam com os trabalhadores, realizando um trabalho em conjunto, de forma segura e atendendo as normativas.

Esses termos fazem parte da indústria 4.0 e causam um impacto enorme nas indústrias, tendo em vista que os robôs já realizam tarefas que antes eram executadas por pessoas. O ponto positivo é que, para que eles consigam operar e aumentar a produtividade das empresas, não há necessidade de alterar o ambiente de trabalho de forma significativa, sendo ideal para processos repetitivos ou insalubres.

Qual é o cenário atual sobre a robótica colaborativa no ambiente nacional?

Na atualidade, a robótica colaborativa está desempenhando um papel muito importante, principalmente na indústria farmacêutica. Os laboratórios exigem um padrão elevado de qualidade, além de cuidados com assepsia e higiene. Sendo assim, os robôs estão sendo úteis para inspecionar, distribuir, contar e misturar produtos para a obtenção de resultados consistentes. Eles manipulam e montam peças delicadas e pequenas, por exemplo.

Os robôs colaborativos também são responsáveis por otimizar a manipulação e classificar as amostras de sangue que são analisadas por hospitais e universidades de medicina. Com eles, os laboratórios entregam quase 100% dos resultados dentro de apenas 1 hora, sem falar no aumento de 20% das amostras que são recebidas.

Quais mudanças a implementação da robótica colaborativa vai gerar nos negócios?

Os negócios que implementam esse tipo de solução se tornam mais inteligentes e ganham escalabilidade. A tecnologia, em constante evolução, vem revolucionando a dinâmica no ambiente empresarial. Portanto, apostar na robótica colaborativa para aprimorar os processos da empresa vai alterar a rotina de quem faz a gestão do negócio e daqueles que trabalham no setor operacional.

Os impactos são inevitáveis, e o sucesso das corporações pode depender da adesão a essa nova forma de produzir com qualidade. Os robôs — auxiliares nos processos da maioria das grandes organizações — serão implementados pelos líderes mais atentos às mudanças do cenário industrial. Diante disso, pode-se afirmar que a robótica colaborativa será um grande diferencial competitivo.

Quais são as mudanças causadas na qualidade da produção com a robotização?

Na indústria farmacêutica os robôs colaborativos são uma tendência além de serem configurados para oferecer o seu trabalho de forma impecável, sendo fundamental para empresas que desejam oferecer as melhores soluções para a saúde e a vida de seus clientes. Eles ajudam a controlar e garantir a qualidade dos produtos, afinal são planejados para padrões específicos.

A padronização dos processos e os ciclos repetitivos na produção favorecem o uso de robôs que entregam produtos de excelente qualidade, visto que foram fabricados para fazer ajustes finos que o ser humano não é capaz de realizar. A robótica colaborativa, por exemplo, possibilita a inserção dos produtos químicos dentro das cápsulas na quantidade ideal, sem margem de erros.

Os robôs colaborativos aumentam a produção e mantêm níveis elevados na qualidade dos produtos. Eles trabalham de modo consistente, repetem os processos com exatidão, atendem aos fluxos de trabalho predeterminados, são precisos e elevam as chances de sucesso dos projetos.

Como as indústrias avaliam o nível de qualidade da sua produção?

As indústrias que já utilizam a robótica colaborativa avaliam a sua qualidade como excelente. Os colaboradores fazem o controle dessas máquinas inteligentes, modificam a programação para atender aos requisitos dos processos e garantem a otimização dos ciclos. Eles cuidam para que as tarefas automatizadas sejam realizadas adequadamente e para que os robôs tenham um excelente desempenho.

Com a robotização da produção, a qualidade dos produtos aumenta consideravelmente, pois os robôs minimizam os riscos de erros durante o processamento. Essas máquinas são responsáveis por fazer implantes, assessorar cirurgias, empacotar equipamentos médicos e produzir medicamentos. Elas fazem a manipulação estéril e eliminam as chances de contaminação de peças utilizadas em próteses e outros dispositivos.

Como a legislação ligada à robotização industrial se envolve com esse assunto?

A ISO 9001 define os padrões exigidos nas atividades industriais no Brasil. Essas normas tratam das questões referentes aos processos de controle de qualidade de serviços e produtos de maneira específica. Dessa maneira, elas influenciam no uso da robótica colaborativa e também estipulam requisitos de implementação.

Já a ABNT NBR ISO 10218-1:2018 foi desenvolvida para tratar diretamente das especificações para o uso da robótica colaborativa. A norma aponta as orientações para projetos seguros e aplicação de medidas de proteção; e traz informações sobre o uso dos robôs industriais. Ela descreve os riscos associados à implementação dessa tecnologia e os requisitos para eliminá-los.

A International Electrotechnical Comission (IEC), por meio de um grupo de profissionais especialistas, criou a norma IEC 61131. Essa regra é uma referência mundial para as indústrias, tendo em vista que trata das questões referentes à robótica colaborativa de maneira prática e garante que os robôs sejam utilizados em conformidade com a ISO 9001, além da ISO/TS 15066 voltada para robótica colaborativa.

Agora você já sabe que a robótica colaborativa na indústria farmacêutica influencia na qualidade dos produtos. A Universal Robots, parceira da EDGE Brasil, é uma empresa especializada no desenvolvimento de soluções inovadoras que atendem às expectativas da qualidade e da produção por meio da robótica colaborativa. Ela tornou essa tecnologia acessível para todos os setores, incluindo pequenas e médias empresas.

Além disso, os robôs da UR são certificados pela TÜV, e podem trabalhar lado a lado com os colaboradores, já que a sua sensibilidade de força integrada faz com que os robôs parem de funcionar automaticamente quando se deparam com obstáculos na sua rota. Podendo também, ser programado para operar em modo reduzido quando uma pessoa entrar em sua área de trabalho.

Deseja obter mais informações sobre o assunto? Entre em contato conosco e apresente-nos as suas dúvidas!

Compartilhar

BLOG

Conheça mais posts do nosso blog

Descubra o poder da iluminação solar e como ela pode impulsionar o seu negócio A busca incessante...
Descubra as vantagens da remanufatura e como ela se destaca em relação aos simples reparos No contexto...
Descubra a revolução da iluminação personalizada e automatizada em diversos setores A revolução da iluminação inteligente está...
Ver todos os posts