IO-Link na indústria: aposta certeira para a conectividade

Que a manutenção é importante para a eficiência produtiva, você provavelmente já sabe, não é? Agora, e se você tiver uma quantidade maior e mais precisa de dados sobre as condições dos seus sensores e atuadores? Informação é uma palavra-chave na Indústria 4.0, e é justamente sobre isso que se trata o IO-Link.

Imagine, por exemplo, que um dos sensores está com a lente suja e com o desempenho comprometido. Nosso entrevistado, o especialista de produtos na área de sensores e segurança da Ladder, Wilson Presutti, explica que “esse tipo de informação demoraria horas ou até um dia inteiro para ser descoberto pelo time de manutenção”.

Se você tem uma rede de comunicação que permite a troca rica de informações, saberá dessa falha em questão de minutos. É isso o que o IO-Link proporciona na Indústria: uma planta mais inteligente e conectada, além da otimização da rotina de manutenção. Quer saber mais sobre essa tecnologia? Então, acompanhe a leitura!

O que você precisa saber sobre o IO-Link?

O IO-Link é um padrão de comunicação entre sensores e atuadores, que segue as diretrizes da norma internacional IEC 61131-9. É a primeira tecnologia normativa relacionada à comunicação de sensores e, além disso, também é a primeira rede aberta com esse foco, sendo que tudo é gerenciado pelo site independente IO-Link.com.

Na prática, o IO-Link integra diferentes dispositivos em um ambiente de automação, de forma que a conectividade no chão de fábrica seja possível — um dos pilares da Indústria 4.0. Nas palavras do especialista, é essencialmente um “protocolo de comunicação” entre sensores e atuadores e o sistema de controle.

Ao adotar essa rede, o sistema de controle da indústria passa a operar com uma riqueza de informações que ajuda na tomada de decisão, principalmente as relacionadas à manutenção dos equipamentos. Três tipos de dados podem ser trocados com o IO-Link: dados de processo, de serviço e sobre eventos.

Em outras palavras, é um novo passo na automação industrial: uma rede aberta de comunicação serial ponto a ponto, que interliga todos os sensores e atuadores em um mesmo endereço. Ainda, como é um protocolo universal, é bastante flexível e de fácil implementação.

Como é o funcionamento do sistema?

Como o IO-Link é uma rede aberta e gerida por um órgão independente, basta entrar no site e acessar os arquivos para configurar os dispositivos. Hoje em dia, a maioria dos sensores comercializados já recebem a opção de integração com a rede.

Ainda existem sensores antigos que não têm essa compatibilidade, mas a tendência dos fabricantes é migrar o portfólio para IO-Link. Afinal, essa tecnologia ajuda a aumentar a produtividade na indústria e, principalmente, a otimizar a rotina de manutenção.

De acordo com Wilson, o IO-Link traz mais recursos aos sensores. Ele explica que sensores antigos só têm sinal de ligado e desligado. Com essa rede, os sinais são transformados em um meio de comunicação. Assim, são passadas informações como:

  • o número filial do sensor;
  • a temperatura interna do equipamento;
  • a saúde atual do sensor;
  • a necessidade de realizar uma manutenção.

Enfim, com o IO-Link, o sistema de controle consegue ter todas as informações essenciais sobre os sensores e atuadores. No contexto da Indústria 4.0, ter essa riqueza de dados sobre todos os equipamentos integrados é muito importante. O termo central é precisão de informações.

O especialista da Ladder traz um exemplo interessante para deixar ainda mais claro o funcionamento do IO-Link: os sensores sem essa tecnologia poderiam apenas passar informações binárias como “ligado ou desligado”, “com a eficiência comprometida ou sem a eficiência comprometida” etc.

Já com o IO-Link, o sistema de controle recebe dados exatos. Um sensor fotoelétrico que emite luz, por exemplo, consegue passar informações como “há um objeto a x milímetros em frente ao equipamento”, “somente 60% da luz emitida está voltando” etc.

Por quê implementar o IO-Link na Indústria?

A grande motivação para implementar o IO-Link é o ganho de competitividade. A tendência de conectividade entre os dispositivos é muito forte e, com isso, os sensores puros se tornarão obsoletos.

Por isso, investir na integração com o IO-Link desde já faz com que a empresa dê um passo à frente da concorrência, com a eficiência operacional lá em cima. Wilson explica que, com a rede de comunicação, “você diminui o tempo ocioso da máquina, tem uma manutenção mais eficiente e diminui as paradas não programadas”.

Em resumo, os maiores benefícios da implantação do IO-Link são:

  • melhora na rotina de manutenção;
  • identificação de fatores que comprometem a eficiência dos equipamentos;
  • mais confiabilidade na fabricação;
  • linhas de produção contínuas, com menos paradas;
  • produto final com maior qualidade;
  • redução no tempo de fabricação.

Nas palavras do especialista, “no final das contas, todo mundo quer vender mais, quer ser mais eficiente e melhor”. Então, diante dessas vantagens, podemos dizer que a IO-Link é responsável por uma otimização na lucratividade do negócio. Afinal, a comunicação entre os sensores proporciona ganho de tempo, menos falhas e melhores resultados.

O desafio da inovação

Apesar dessas vantagens, muitas empresas ainda não estão investindo no IO-Link simplesmente por falta de informação. Esse é um dos grandes empecilhos para consolidação da “Fábrica do Futuro“: justificar o investimento financeiro em tecnologias que representam uma reinvenção no modo de produção.

Muitos gestores ainda ficam inseguros em destinar recursos da empresa a algo que ainda não conhecem, mesmo que tenham ouvido falar nos benefícios para a produtividade. Segundo Wilson, a indústria no Brasil ainda tem muito da perspectiva de que “em time que está ganhando, não se mexe”.

No entanto, para alinhar o negócio às demandas da Indústria 4.0 é importante adotar uma postura ativa frente às inovações. Ou seja, não deixar a atualização do parque fabril para quando há perdas de produtividade, mas sim visando a melhoria contínua.

Conseguiu entender o que o IO-Link representa para a Indústria? Como você viu, essa rede de comunicação universal é responsável por elevar a segurança, a eficiência e a qualidade na produção. E o melhor é que sua implementação é descomplicada e acessível.

Se você gostou desse conteúdo, leia também nosso post com 4 procedimentos que podem ajudar na segurança no chão de fábrica. Até lá!

Compartilhar

BLOG

Conheça mais posts do nosso blog

Não é de hoje que uma infraestrutura de rede inteligente e de alto desempenho é a...
Os silos são há muito reconhecidos como estruturas fundamentais em diversas indústrias, oferecendo soluções eficientes de...
Otimizar suas operações industriais e melhorar a eficiência energética pode ser um desafio. A gestão estratégica...
Ver todos os posts