É possível conquistar uma indústria sustentável? Listamos 4 boas práticas

Não é possível pensar em indústria sustentável se não houver o comprometimento do alto escalão e, principalmente, do departamento de engenharia da empresa. Ao mesmo tempo, essas lideranças precisam combinar produtividade e sustentabilidade.

Por isso, é fundamental abandonar a ideia de que detalhes podem ser desprezados nesse campo. Na gestão sustentável, são justamente eles que, juntos, podem gerar maiores impactos positivos.

Muitas vezes, grandes resultados são alcançados ao se concentrar em um ou dois aspectos. Por isso, a sustentabilidade é um objetivo que começa com conscientização e se consolida como um esforço sistematizado, capaz de agir em cada gargalo de desperdício.

O resultado é a preservação do meio ambiente, a estruturação da indústria e o aumento da rentabilidade do empreendimento. Confira os detalhes e conceba a fábrica do futuro!

Qual a importância da sustentabilidade nas empresas?

Gerenciar uma empresa sustentável é uma atitude que começa com controle, o que depende de informações. Segundo diz José Luiz Baroni, diretor geral da HEC Automação: “ninguém gerencia o que não controla, e ninguém controla se a empresa não mede”.

Basicamente, é preciso levantar informações precisas sobre o consumo de energia, o que inclui a elétrica, o gás e a água, bem como itens como lâmpadas e apurações como o gasto por unidades produzidas.

A gestão sustentável usa esses dados para melhorar o aproveitamento de insumos de fluidos como o vapor, o ar, a nafta, o gás e a água — seja ela tratada, não tratada ou potável. É o uso e o transporte desses insumos que aumenta o consumo e impacta diretamente no custo do produto final.

Assim como ocorre com boas medidas de segurança, além de contribuir para um alto ganho social, o que também influencia na imagem para o mercado, a atenção à sustentabilidade torna a empresa muito mais rentável. Ou seja, a importância é ampla e alcança as condições futuras de habitação do planeta.

Como conseguir uma indústria sustentável?

Para responder à pergunta deste tópico, relacionamos abaixo alguns dos maiores gargalos em desperdício de energia. Agir para diminuí-los é um passo importante para conseguir uma indústria sustentável.

Por exemplo, além de tomar medidas para reduzir o consumo de gás natural, que tem um alto impacto nas indústrias, é preciso identificar desperdícios, como o que ocorre por causa do escape de ar comprimido em tubulações.

O reparo de um vazamento, que é uma medida simples, vai economizar no consumo do compressor, que é uma fonte importante de desperdício de energia. É o que nos leva ao nosso próximo tópico.

Uso do ar comprimido

O ar é gratuito, mas comprimi-lo é caro. O compressor usa energia elétrica para gerar e transformar energia mecânica em energia de compressão do ar. Os compressores são máquinas que tem eficiência de 15%, o que significa 85% de desperdício em forma de calor.

Resfriar o compressor e transferir a água utilizada nesse processo para uma caldeira economiza o gás utilizado para aquecê-la. Do mesmo modo, a água quente pode ser usada em chuveiros e aquecimento de outras máquinas.

Automação da iluminação

Você não terá esse tipo de problema em uma empresa de transporte ou de logística, por exemplo. Nelas, a iluminação tem um impacto maior, que pode chegar a 40 ou 50% de todo o consumo de energia elétrica de uma unidade de logística. Novas tecnologias, como lâmpadas tipo LED, reduzem, no mínimo, 50% o consumo de energia elétrica.

Se aplicar inteligência e sensores de movimento ao acionamento dessas lâmpadas, é possível acendê-las e apagá-las automaticamente conforme a necessidade. Em espaços vazios e em horários ociosos elas não precisam permanecer ligadas, e também podem ter a intensidade diminuída quando há maior disponibilidade de luz natural.

Reaproveitamento de água

O uso de poços artesianos obedece às regras estabelecidas pelos órgãos ambientais. De acordo com características de cada lençol freático, é definido um período máximo em horas de extração contínua e um mínimo de intervalo de captação.

Numa situação como essa, os poços são monitorados e, quando um deles está próximo do limite estabelecido, outro é ligado. Quando o segundo poço chega ao limite, um terceiro é acionado antes da abertura do registro para consumo da água fornecida pela concessionária. Essa prática chega a reduzir 80% do consumo de água das concessionárias, além de preservar o lençol freático.

Ainda assim, é sugerido a devolução de água tratada dois ou três quilômetros acima no rio do qual ela é coletada. Esse procedimento forma um ciclo que, fora as perdas com evaporação e outras variáveis naturais, permite o reaproveitamento da mesma água, com as características necessárias ao seu uso.

Quais as boas práticas de sustentabilidade empresarial?

No tópico anterior, relacionamos algumas ações pontuais que exemplificam algumas das medidas mais comuns para a construção da sustentabilidade. Contudo, as melhores práticas nesse tema obedecem a uma lógica mais estrutural. Afinal, não se pode falar em sustentar qualquer prática sem criar sua base.

1. Inventário de equipamentos

Um inventário de todos os equipamentos que consomem energia é a base de um plano de sustentabilidade. A partir dele é feito um estudo de viabilidade técnica e econômica, e as metas são estabelecidas e perseguidas.

2. Plano estruturado

A gestão da sustentabilidade está diretamente ligada a um plano métrico que estabelece os valores mínimos, máximos e os ganhos no médio e longo prazo. Um plano bem delineado, bem escrito, uma meta muito clara, com base em um inventário confiável dos equipamentos, é fundamental para torná-los mais eficientes.

3. Aplicações caso a caso

No entanto, as práticas sustentáveis são relativas, pois são pertinentes a funções próprias de cada indústria. No setor de transporte, por exemplo, a iluminação é a maior vilã. Em uma indústria siderúrgica, o motor é o protagonista do consumo. Já em uma indústria de borracha, temos alto consumo de vapor e de ar comprimido. Enquanto uma indústria de alimentos e cervejarias, o transporte de fluidos ocasiona um alto impacto na sustentabilidade.

4. Plano de conscientização

Além de tudo o que colocamos, ainda é preciso pensar em um bom plano de conscientização de impacto. Nenhuma inovação, mudança ou novo comportamento é possível sem o envolvimento das pessoas.

Por isso, os gestores precisam se comprometer e envolver com a sustentabilidade, uma vez que serão necessários investimentos e esforço. Delegar a um grupo a atribuição de tornar a empresa mais sustentável pode fazer com que algumas das iniciativas importantes sejam barradas.

Além disso, a Indústria 4.0 entrou na moda. Falamos o tempo todo sobre as mudanças que estão por vir, pensamos sobre o impacto que elas terão e fazemos outras reflexões. Mas sem meio ambiente não há futuro e sem uma boa infraestrutura, própria da Indústria 2.0, é muito difícil pensar em um estágio mais ousado.

Nesse contexto, a indústria sustentável é um passo importante e, para alcançá-la, a contribuição especializada ajuda com um bom diagnóstico da real situação. Assim, é possível adotar metodologias e aproveitar a experiência de outros casos para agir com uma abordagem consultiva e sustentável em toda a sua amplitude do aspecto econômico, funcional e ambiental.

Ficou interessado em saber mais sobre o assunto? Entre em contato! Conte com toda nossa experiência nesse campo para ajudar nesse desafio.

Compartilhar

BLOG

Conheça mais posts do nosso blog

Descubra o poder da iluminação solar e como ela pode impulsionar o seu negócio A busca incessante...
Descubra as vantagens da remanufatura e como ela se destaca em relação aos simples reparos No contexto...
Descubra a revolução da iluminação personalizada e automatizada em diversos setores A revolução da iluminação inteligente está...
Ver todos os posts